Os atletas estão sempre se esforçando para melhorar sua performance. Ao mesmo tempo que melhoram seu condicionamento, um aumento no volume e intensidade dos treinos se faz necessário. Muitos sabem que para melhorar o seu desempenho, é necessário atingir o limite nos treinos. Entretanto, treinar até alcançar uma fadiga extrema pode levar a um estado de overtraining, algo que ninguém gostaria de experienciar.

Ao contrário de Overreaching, no qual a execução de treinamentos intensos faz com que o atleta diminua o seu rendimento e necessite de um período de descanso de até duas semanas para se recuperar, Overtraining é um conjunto de sintomas, como fadiga, alterações de humor, alterações de sono, perda de apetite, de peso e maior suscetibilidade a infecções, que podem se prolongar por meses, podendo prejudicar a carreira de um atleta. A comunidade científica ainda busca marcadores fisiológicos que ajudem no diagnóstico de Overtraining. Até agora, aspectos cardiovasculares, como variabilidade da frequência cardíaca, têm se mostrado mais úteis.

Overreaching funcional pode ser utilizado como estratégia para melhorar o desempenho do atleta, que visa alcançar ganhos funcionais significantes. Ele é caracterizado por um estado de fadiga severa, que faz com que o atleta leve alguns dias para se recuperar e volte a ter seu desempenho no mesmo nível ou maior.

Dessa forma, para manutenção e desenvolvimento da endurance, é necessário um programa de treinamento consistente, que desenvolva a capacidade do atleta. Para que esse treinamento seja efetivo, é importante que o atleta se recupere rapidamente de blocos de treinamento, permitindo a restauração da capacidade do desempenho e do desejo de continuar treinando, a fim de participar da sessão seguinte.

Uma nutrição adequada após o exercício é essencial para que o indivíduo se recupere adequadamente a partir de uma sessão de treinamento intenso, prevenindo de quadros de Overtraining. A adequação da dieta à rotina de cada atleta é muito importante, atentando às necessidades de suplementação de proteínas e carboidratos e até de vitaminas e minerais, que agem como antioxidantes combatendo os radicais livres gerados pelo exercício físico.

Referências Bibliográficas

Coutts, A., Slattery, K., Wallace, L. “Practical tests for monitoring performance, fatigue and recovery in triathletes.” Journal of Science and Medicine in Sport (2007) 10, 372—381

Halson, S., Jeukendrup, A. “Does Overtraining Exist?” Sports Med (2004) 34 (14): 967-981

Bartlett JD, Hawley JA, Morton JP. Carbohydrate availability and exercise training adaptation: Too much of a good thing? Eur. J. Sport Sci. 2015; 15: 3–12.

Areta JL, Burke LM, Ross ML, et al. Timing and distribution of protein ingestion during prolonged recovery from resistance exercise alters myofibrillar protein synthesis. J. Physiol. 2013; 591: 2319–31

Jentjens R, Jeukendrup A. Determinants of post-exercise glycogen synthesis during short-term recovery. Sports Med. 2003; 33: 117–44.

Jeukendrup A. A step towards personalized sports nutrition: carbohydrate intake during exercise. Sports Med. 2014; 44 (Suppl): S25–33.

Lunn WR, Pasiakos SM, Colletto MR, et al. Chocolate milk and endurance exercise recovery: protein balance, glycogen, and performance. Med. Sci. Sports Exerc. 2012; 44: 682–91.

Pasiakos SM, McLellan TM, Lieberman HR. The effects of protein supplements on muscle mass, strength, and aerobic and anaerobic power in healthy adults: a systematic review. Sports Med. 2015; 45: 111–31.

Comentários

Comentários